Segundo dia da quinta LABModa – Semana de Moda de Curitiba

Reportagem: Shao Tsai
Edição e Fotografia: Rodrigo Novack

E foi no domingo também, que Curitiba recebeu a visão futurista da CYBER, que apresentou na passarela uma cartela de cores frias, amenizadas pelo uso de peles faux e sobreposição de tecidos. O nylon e a lycra partilharam da rigidez de outros materiais, que acentuaram o movimento artificial das peças.

A coleção Além das Pérolas da Blue188 ecoou os anos 20 de O Grande Gatsby, repercutindo de maneira contemporânea as flappers. A reinterpretação possuiu staples como franjas e pérolas, incluindo transparências, listras, modelagens retas e o acinturamento.

A alfaiataria da marca Polyana Rosa, de Poliana Montagna, Maicon Machado e Melise Seabra, conferiu à passarela a distinção da moda masculina inspirada nos anos 30 e na Cosa Nostra. As diferentes dimensões representadas em colarinhos e lapelas, o play de peças com volumosidade e os bordados em pérolas elevaram a feminilidade e demarcaram a proposta, que empregou seda e veludo.

Soraya da Piedade, designer angolana, definiu a eminência do feminino por meio da coleção Arabescos. O brocado rococó e a predominância do dourado e verde-água receberam o complemento de renda e voile. A primazia da confecção é refletida nas silhuetas, que fundamentam a coesão entre os vestidos de variados comprimentos, cuja modernidade foi proposta por entre cortes transpassados.

Cetim e renda, predominados por preto e dourado, foram apresentados pelo estudante Anderson Petri. O detalhamento em cristais e pérolas buscou o enriquecimento, enquanto amplitude foi proporcionada por meio de camadas e volume. Uma vez cometido o pecado do acabamento, no entanto, a inspirada coleção resumiu a estética do estilista, que também trouxe à passarela um look masculino.

Runaway, de Suelen Frazzato, inclui preto, dourado e vermelho em sua cartela, elaborada em couro. A rusticidade do material foi refreada na modelagem e criação de peças individuais como tops cropped e saias de cintura alta, cuja leveza foi garantida por transparências, recortes vazados e estampas de arabescos.

Da reciclagem de guarda-chuvas para matéria-prima, Renata Luciana apresentou experimentalismo e conceito. Costuras enviesadas e frisos uniram nylon preto e instâncias de floral em peças minimalistas de impecável confecção. Cabos e ferragens foram convertidos à elementos esculturais, extendendo as dimensões da passarela em conjunto aos looks.

AYO, de Sergio Takahata e Suelen Frazzato, exibiu construção e alfaitaria em looks femininos e masculinos. O tom metalizado do tecido refletivo, preto e branco, foram trabalhados em vestidos camisetão de estilo boyfriend, shorts, tops, camisas e camisetas. Grafismos de padrões geométricos e a incorporação criativa da marca estampavam as peças.

Caroline Gritten demonstrou a confortabilidade da Velvet.Underwear, porém não em desfile; em apresentação performática dos modelos, cujos movimentos de dança definiram o propósito da coleção. A sobriedade de cinza, preto e branco da paleta, em moletons, tecidos aveludados e malhas metalizada, deu base às modelagens de calças e assimetria de botões.

Black Pipe, Cavalo Baio e os Pinho, Stereo 33 e Punkake apresentaram rock curitibano, e quem ecenrrou o evento foi a banda Rentay. Em novembro, o ParkCultural, no ParkShopping Barigui, receberá a próxima edição do LABmoda.

Além das Pérolas

IMG_6493[1]

 

Polyana Rosa

IMG_6507[1]

 

 

Anderson Petry

1010810_480955698655136_301616803_n

 

 

Soraya da Piedade

10370_480960495321323_432780381_n

 

 

Runaway

1044970_480961355321237_1274413539_n

 

 

Renata Luciana

1016659_480966928654013_94339757_n

 

 

Ayo

941138_480970358653670_1335757047_n

 

Velvet.Underwear

1045045_480980795319293_1922629073_n