O STREET STYLE NA PUC

Reportagem: Victor Hugo Reis
Edição: Hellen Albuquerque

É festa!

O fim de ano traz muitas comemorações, em incrível quantidade.

As influências deste verão estão cada vez mais amplas – me surpreendo até. Então, entre na vibe de festivais dos anos 19970 a 1990. Peças em cores extremamente vibrantes é a cara da estação.

O tie dye – técnica de tingimento feita com os tecidos amarrados, muito popular entres os hippies- também volta. Pra quem gosta de usar o que produz, tinja suas peças e “se jogue no arco-íris”! As marcas Triton, Amapô e Oh, Boy! fizeram o mesmo, e as peças são de muita atitude e ousadia. Pra quem é dessa forma, aproveite.

As estampas estão imensas, com temas específicos, muitas vezes sem sentido. Nada de desenhos! A vez é da geometria. Junte o Gipsy e a contemporaneidade: tenha a nova tendência.

Érica Padilha, Publicidade e Propaganda

Érica Padilha, Publicidade e Propaganda.

Se atente as formas estampadas na calça. É a geometria louca que, também, apareceu na nova coleção da Versace.

 

Meninos também podem! O tie dye discreto, mas notável.

Meninos também podem! O tie dye discreto, mas notável.

 

Saiões podem – devem – neste verão. Te lembrou algo? (coluna passada), mas as estampas são atuais!

Saiões podem – devem – neste verão. Te lembrou algo? (coluna passada), mas as estampas são atuais!

O STREET STYLE NA PUC

Reportagem: Victor Hugo Reis
Edição: Hellen Albuquerque

É tempo de renovação

Hoje, às 00h00, começa o Horário de Verão brasileiro. Dias mais longos e quentes se aproximam. Uma fase de boas vibrações e anseios. É a época certa para se repaginar.

Nesta estação, as tendências do Folk e Gipsy continuam… Estilos que agregam influências culturais das tribos indígenas, hippies e ciganas.

Apresentam-se por meio de lenços, tecidos texturizados, bordados, peças em camurça, coletes e… Ahhh, as franjas – elas continuam, mas não se esqueça dos acessórios, os detalhes deles é que fazem diferença!

A palheta de cores não poderia ser diferente, muito terrosa com variações para ocre e vermelho. Estampas? Sim, de animais, por favor!

Carolina Toppan, Arquitetura e Urbanismo

Carolina Toppan, Arquitetura e Urbanismo.

Esta é a vibe certa. Entre o Folk e Cigano.

Lorena Sagati, Relações Públicas

Repare na estampa de pavão, flui naturalmente com os cabelos e acessórios extravagantes. Têm cara e coragem? Use!

Repare na estampa de pavão, flui naturalmente com os cabelos e acessórios extravagantes. Têm cara e coragem? Use!

Bruna Marques, Psicologia

As franjas, não preciso mais falar sobre. Detalhe são os Spikes na blusa.

As franjas, não preciso mais falar sobre. Detalhe são os Spikes na blusa.

Ana Simões, Publicidade e Propaganda

Referência do movimento Punk nos anos 1970, os Spikes perduram até hoje – e até a próxima estação.

Referência do movimento Punk nos anos 1970, os Spikes perduram até hoje – e até a próxima estação.

Natalia Rzniski, Arquitetura e Urbanismo

Algumas vezes é preciso mantes pés nos chão. Não quer arriscar tanto? O azul e branco do azulejo português é a saída.

Algumas vezes é preciso mantes pés nos chão. Não quer arriscar tanto? O azul e branco do azulejo português é a saída.

Dylan Omeiri, Intercambista

Extremamente Folk. Aqui, os homens também tem vez.

Extremamente Folk. Aqui, os homens também tem vez.

Bruno Siqueira, Publicidade e Propaganda

Ah essas barbas! Tenho que admitir: continuam, sem data para deixar os rostos dos homens. É preciso muito cuidado e manutenção para ter a barba perfeita, não exagere.

Ah essas barbas! Tenho que admitir: continuam, sem data para deixar os rostos dos homens. É preciso muito cuidado e manutenção para ter a barba perfeita, não exagere.

Não se esqueça, a moda é plural!

Até sábado que vem.

 

O STREET STYLE NA PUC

Reportagem/Fotografia: Victor Hugo Reis
Edição: Hellen Albuquerque

Você já deve ter ouvido por aí sobre street style.

Seja por meio de algum site de moda ou até mesmo via Instagram de uma It Girl. É visível que a moda urbana vem influenciando as passarelas de todo o mundo, desta forma criando um novo movimento de moda, que tem como base as ruas. Quero dizer com tudo isso que a Moda é mutável, portanto plural.

Na PUCPR não é diferente. Os estilos se misturam, as tribos se encontram, a moda surge: as tendências são seguidas.

Então, nesta coluna sabatina você poderá apreciar looks de meninas e meninos com bom gosto. Pessoas que juram não acordar cedo para se arrumar e que SEMPRE pegam a primeira peça no guarda-roupas. Quando chegam à universidade provocam “torcicolos” ou a “necessidade” em ter algo similar.

E em meio a tudo isso meus comentários, pois as fotos selecionadas têm a ver com o que circula no mundo da moda. Então, a coluna será para você se inspirar, copiar, criticar ou apenas refletir que a Moda é plural!

Me acompanhe nesta primeira caçada…

Basta clicar nas imagens para ampliar.

Agradecimentos especiais a Hellen Albuquerque pela oportunidade e a minha amiga Giovanna Kasezmark pela ajuda com as fotografias.

In & Out

A 3ª Semana de Moda de Curitiba acabou, e você acompanhou conosco os grandes acontecimentos….

Chegou a hora de avaliarmos com detalhes como foi, por isso vamos pensar nos IN e nos OUT, tudo que deu muito certo e o que foi péssimo.

Comecemos com as boas notícias.

IN1: O LOCAL

Este ano a organização do evento escolheu o Museu Oscar Niemeyer, o famoso MON, para realização. Temos que aplaudir a escolha, além de ser um ponto famoso no turismo curitibano e parada obrigatória para muita gente aos domingos, a beleza do local é inestimável. E a escolha combinou perfeitamente com a proposta da semana, que comentaremos a seguir.

IN2: A PROPOSTA

Durante a programação tivemos, além dos desfiles, várias performances e apresentações de bandas. O palco montado perto da passarela 2 recebeu bandas curitibanas que puderam expor seu trabalho, mesmo que por um curto espaço de tempo, a ideia de interatividade também é louvável.

A própria passarela 2 trazia isso consigo, foram dispostos poofs quadrados, nos quais o público podia se sentar, as modelos desfilavam por entre eles trazendo grande proximidade.

Não podemos esquecer de comentar sobre o LABMODA em si, que é uma iniciativa genial, evidente que o projeto é um item instríscico a tudo que estamos falando já que sem ele nada disso existiria!

Foi distribuída uma revista oficial com parte da programação e um pequeno resumo das marcas que iriam desfilar, a revista também merece elogios.

IN3: OS ESTANDES

Foram dispostas as marcas dos desfiles em estandes, que foram locados pelas mesmas, o que deu a possibilidade de ver um desfile e depois dele comprar a sua peça preferida, ótimo não?!

IN4: Passarela 2

Tivemos duas passarelas, e a passarela secundária foi palco para estreantes no mundo da moda. Uma ótima oportunidade para saber o que em breve estará no mercado, e para os próprios estudantes e entusiastas de moda mostrassem seu trabalho.

Destaque para nossas queridas alunas da PUCPR de Design de Moda, que apresentaram uma coleção inspirada nas cidades e no grafite, uma paisagem urbana em peças conceituais.

IN5: OS DESFILES

A equipe fashionpuc selecionou os seguintes desfiles como os mais expressivos e interessantes da Semana: NovoLouvre, Chocolateria, Soraya, Renata Luciana, Canalli e Agente Costura.

Novo Louvre, dia 19

O desfile do Novo Louvre foi o de abertura da
semana de moda na passarela 1.


Os meninos da banda GO GOes Laves participaram cantando,
além das peças trazerem um inverno claro, com bege, azul bebê contrapondo
aos marrons e pretos, aprensentou um desfile alto astral.


As modelos interagiram com a banda que cantou e desfilou, foi um momento
bom de ver e estar presente, vontade de ir para a passarela e gritar “JUmp! ” não faltou.

Chocolateria, dia 19

A Chocolateria também fez um ótimo trabalho, com peças tingidas à pinhão trouxe todo o espírito paranaense.

A marca é de 2010, e esse ano trouxe o Ballet Moderno como inspiração para as peças, que apareceram em tons terracota, azul, cinza e coral.  A cor choconude foi a surpresa, foi obtida exatamente através do tingimento natural com cacau.

Soraya da Piedade, dia 20

A marca que leva o nome da estilista se apresentou com a coleção de despedida ao Brasil: Mulheres, o sexo forte. Preferida por unanimidade na equipe, a coleção trouxe sobriedade, elegância e um indiscutível bom gosto.

O desfile foi produzido por Victor Sálvaro, falaremos mais de suas produções, no entanto essa foi a melhor das 3 que aconteceram na SMCWB.

Leia tudo sobre o desfile aqui.

Canalli, dia 22

A marca Canalli também apresentou um bom desfile, sem exageros e com ótima disposição das peças e das modelos. O tema da Co-fusão também representou bem a marca e a proposta.

Como comentado anteriormente a ideia da estilista Natália em usar apenas uma caixa de modelagem com variações nas mangas e comprimentos de saia e vestido foi inteligentíssima, veja o post aqui.

Renata Luciana, dia 22

A proposta da estilista é fazer roupas de guarda-chuvas reciclados, participante desde a primeira edição da Semana de Moda de Curitiba a grife foi aplaudida de pé, com todo merecimento. O nome dessa coleção é: Nietzsche Dá-nos o Super Homem! Coleção para tempos difíceis!

As peças eram todas pretas e as armações das sombrinhas foram usadas para fazer saias com volumes e acessórios de complemento.

O desfile começou e terminou com vídeos mostrando embarque e desembarque de passageiros em terminais de ônibus, e a própria estilista, Renata, dentro de um deles. Isso trouxe o ar urbano que marca tem, foi um desfile belíssimo, com a ideia sustentável intrínseca.

Agente Costura, dia 22

Agente Costura fechou a semana de moda, com um desfile interativo!
Lisa Simpson costurou as roupas das modelos em sua máquina pink enquanto uma banda fazia sua performance. A proposta é dar nova vida à peças garimpadas em brechós. Foi incrível!

Assista ao vídeo da performance aqui.

 

Em breve postamos os OUT da semana de moda, não perca!